terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A R T E - Grafite - Intervenção Urbana (Grafitti - Urban Intervention)



Nessa postagem venho trazer imagens e um pouco sobre a historia do grafite, uma arte, um movimento, um estilo de vida, desde como se tornou um meio de contestação, indentificação de grupos excluídos e como intervenção no espaço urbano, como se tornou uma das mais valiosas artes do mundo contemporâneo evoluindo para a chamada arte urbana, se tornando, de oposição ao sistema imperante e a cidade cinza, para se transformar em mais um valor agregado do capital, mas jamais deixando sua origem, contradição e ambiguidade com o que se proprõe, onde é observado também sua grande proximidade da pichação, pois até a maiores dos reais grafiteiros começaram como pichadores, e como ela busca a mesma coisa que o grafite, mas como sua linguagem é mais impactante, menos visual e possui uma aparencia menos artistica, se torna mais marginalizada e repelida.

Alguns artigos mais completos sobre o assunto do grafite e pichação no Brasil:

http://bdm.bce.unb.br/bitstream/10483/3824/1/2011_JoanaGoncalvesVieiraLopes.pdf
http://www.parabolaeditorial.com.br/downloads/10DOCUMETARIOEPIXACAO.pdf
http://www.scielo.br/pdf/ln/n79/a07n79.pdf
http://pages.udesc.br/~poeticasdourbano/Grafite%20e%20pichacao-por%20uma%20nova%20epistemologia%20da%20cidade%20e%20da%20arte.pdf
http://www.ufrb.edu.br/ebecult/wp-content/uploads/2012/04/Linguagens-visuais-dos-pichadores-e-grafiteiros-em-Alagoinhas-BA.pdf
http://www.anped.org.br/33encontro/app/webroot/files/file/Trabalhos%20em%20PDF/GT24-6075--Int.pdf
http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/reveducacao/article/view/2356/1423
http://www.periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/viewFile/1351/1158
http://comunidadesegura.org.br/files/pichacao%20carioca.pdf
http://www.kke.org.br/_media/palestras/dos_grafiteiros_de_pompeia_aos_pichadores_atuais.pdf
http://www.logos.uerj.br/PDFS/26/08lucianospen.pdf 
http://www.unicamp.br/chaa/eha/atas/2007/COSTA,%20Luizan%20Pinheiro%20da.pdf
Trago tambem um documentario sobre a disputa que teve recentemente de Robbo e Bansky, uma grafiteiro e uma artista urbano ingleses, os mais conhecidos no mundo, e as consequencias tragicas que aconteceram em uma verdadeira guerra no mundo do grafite, onde acabaram surgindo duas facções a de Robbo e Bansky.


























 
Um pouco de Bansky pra quem não conhece.
Banksy  é um notório artista de rua britânico, cujos trabalhos em estêncil são facilmente encontrados nas ruas da cidade de Bristol, numerosas manifestações de Banksy também são encontradas na capital britânica, Londres e em várias cidades do mundo. É o pseudônimo de um grafiteiro, pintor, ativista político e diretor de cinema inglês. Sua arte de rua satírica e subversiva combina humor negro e graffiti feito com uma distinta técnica de estêncil. Seus trabalhos de comentários sociais e políticos podem ser encontrados em ruas, muros e pontes de cidades por todo o mundo.


Um pouco de Robbo pra quem não conhece.
Robbo é um grafiteiro inglês, um dos mais conhecidos na Inglaterra, principalmente na década de 1980 a 1990 onde ficou muito conhecido por grafitar trens da cidade de Londres, pintou tambem varias partes da cidade, tendo grande influência e importância para muito grafiteiros do país e do mundo, se tornando uma das referências do mundo do grafite.


PEQUENA HISTÓRIA DO GRAFITE

"Grafite ou grafito (do italiano graffiti, plural de graffito) é o nome dado às inscrições feitas em paredes, desde o Império Romano. Considera-se grafite uma inscrição caligrafada ou um desenho pintado ou gravado sobre um suporte que não é normalmente previsto para esta finalidade. Por muito tempo visto como um assunto irrelevante ou mera contravenção, atualmente o grafite já é considerado como forma de expressão incluída no âmbito das artes visuais, mais especificamente, da street art ou arte urbana - em que o artista aproveita os espaços públicos, criando uma linguagem intencional para interferir na cidade. Entretanto ainda há quem não concorde, comparando o grafite com a pichação, pois em diversos países ambos configuram crime de vandalismo quando realizados sem a devida autorização, tanto em propriedade pública ou privada.
Normalmente distingue-se o grafite, de elaboração mais complexa, da simples pichação, quase sempre considerada como contravenção. No entanto, muitos grafiteiros respeitáveis, como Osgemeos, autores de importantes trabalhos em várias paredes do mundo, aí incluída a grande fachada da Tate Modern de Londres, admitem ter um passado de pichadores. Na língua inglesa, contudo, usa-se o termo graffiti para ambas as expressões.
A partir do movimento contracultural de maio de 1968, quando os muros de Paris foram suporte para inscrições de caráter poético-político, a prática do grafite generalizou-se pelo mundo, em diferentes contextos, tipos e estilos, que vão do simples rabisco ou de tags repetidas ad nauseam, como uma espécie de demarcação de território, até grandes murais executados em espaços especialmente designados para tal, ganhando status de verdadeiras obras de arte. Os grafites podem também estar associados a diferentes movimentos e tribos urbanas, como o hip-hop, e a variados graus de transgressão.
Dentre os grafiteiros, talvez o mais célebre seja Jean-Michel Basquiat, que, no final dos anos 1970, despertou a atenção da imprensa novaiorquina, sobretudo pelas mensagens poéticas que deixava nas paredes dos prédios abandonados de Manhattan. Posteriormente Basquiat ganhou o rótulo de neo-expressionista e foi reconhecido como um dos mais significativos artistas do final do século XX. Atualmente no século XXI, muitas pessoas usam o grafite como arte em museus de arte.
  • 3D - Estilo tridimensional, baseado num trabalho de brilho / sombra das letras.
  • Asdolfinho - Novo estilo de grafite desenvolvido por americanos, no qual é visado a pintura animal.
  • Backjump - Comboio pintado em circulação, enquanto está parado durante o percurso (numa estação por exemplo).
  • Bite - Cópia, influência directa de um estilo de outro writer.
  • Bombing - Grafite rápido, associado à ilegalidade, com letras mais simples e eficazes.
  • Bubble Style - Estilo de letras arredondadas, mais simples e "primárias", mas que é ainda hoje um dos estilos mais presentes no grafite.
  • Cap - Cápsula aplicável às latas para a pulverização do spray. Existem variados caps, que variam consoante a pressão, originando um traço mais suave ou mais grosso (ex: Skinny", "Fat", "NY Fat Cap", etc.).
  • Characters - Retratos, caricaturas, bonecos pintados a grafite.
  • Crew - "Equipa", grupo de amigos que habitualmente pintam juntos e que representam todos o mesmo nome. É regra geral os writers assinarem o seu tag e respectiva crew (normalmente sigla com dois a 4 letras) em cada obra.
  • Cross - Pintar um grafite ou assinatura por cima de um trabalho de um outro writer.
  • Degradé - Passagem de uma cor para a outra sem um corte directo. Por exemplo uma graduação de diferentes tons da mesma cor.
  • End to end - Carruagem ou comboio pintado de uma extremidade à outra, sem atingir a parte superior do mesmo (por ex. as janelas e parte superior do comboio não são pintadas).
  • Fill-in - Preenchimento (simples ou elaborado) do interior das letras de um grafite.
  • Hall of Fame - Trabalho geralmente legal, mural mais trabalhado onde normalmente pinta mais do que um artista na mesma obra, explorando as técnicas mais evoluídas.
  • Highline - Contorno geral de todo o grafite, posterior ao outline.
  • Hollow - Grafite ou Bomb que não tem fill (preenchimento) algum e, geralmente, é ilegal
  • Inline - Contorno das letras, realizado na parte de dentro das letras.
  • Kings - Writer que adquiriu respeito e admiração dentro da comunidade do grafite. Um estatuto que todos procuram e que está inevitavelmente ligado à qualidade, postura e anos de experiência.
  • Outline - Contorno das letras cuja cor é aplicada igualmente ao volume das mesmas, dando uma noção de tridimensionalidade.
  • Roof-top - Grafite aplicado em telhados, outdoors ou outras superfícies elevadas. Um estilo associado ao risco e ao difícil acesso mas que é uma das vertentes mais respeitáveis entre os writers.
  • Spot - Denominação dada ao lugar onde é feito um grafite.
  • Tag - Nome/Pseudónimo do artista.
  • Throw-up - Estilo situado entre o "tag"/assinatura de rua e o bombing. Letras rápidas normalmente sem preenchimento de cor (apenas contorno).
  • Top to bottom" - Carruagem ou carruagens pintadas de cima a baixo, sem chegar no entanto às extremidades horizontais.
  • Toy - O oposto de King. Writer inexperiente, no começo ou que não consegue atingir um nível de qualidade e respeito dentro da comunidade.
  • Train - Denominação de um comboio pintado.
  • Whole Train - Carruagem ou carruagens inteiramente pintadas, de uma ponta à outra e de cima a baixo.
  • Wild Style - Estilo de letras quase ilegível. Um dos primeiros estilos a ser utilizado no surgimento do grafite.
  • Writer - Escritor de grafite."
 Fonte: Wikipedia


Vídeo do Documentário - Graffti Wars
                                        Style Wars
Videos da internet





















2 comentários:

Ana Paula Leonardo disse...

Amo,este trabalho acho lindo,perfeito espero que todos evoluam cada ves masss,meu sonho e ver minha casa toda grafitada por fora com temas de hip hop ..quem sabe um dia eu consigo

mundonaforca disse...

é só conhecer alguem que faça grafite, as vezes conversando com esse pessoal eles fazem até de graça só pelo muro livre